sábado, 30 de maio de 2015

Belém facts

Não acho que minha irmã tenha inventado isso, mas ela certamente está aproveitando um nicho ainda pouco explorado no mercado brasileiro: o turismo de concurseiro. Explico: minha irmã é advogada e decidiu tentar a magistratura. Com isso está percorrendo o país atrás de concursos para juiz e fim de semana passado foi parar em Belém e levou com ela minha mãe, uma amiga nossa e euzinha. Agora já posso dizer que estive nas cinco regiões brasileiras. Sentem aí que lá vem o Belém facts:

Faz calor em Belém, mas acho que isso vocês já sabiam. Fora a umidade que destrói qualquer progressiva (aliás um beijo para a Neide, minha cabeleireira, por fazer uma progressiva destruidora que resistiu bravamente). 

Eu nem gosto de sorvete (pausa para a indignação de vocês)  mas agora que eu voltei não sei como vai ser minha vida sem o sorvete de mangaba da Cairu.


melhor.do.mundo

Não tem Brahma nem Skol em Belém. Aliás não tem cerveja de 600 ml e long neck só Cerpa e Tijuca (feita com a água mais pura do mundo, a da Amazônia, segundo o rótulo).

Em Belém gelinho (ou chup-chup, ou sacolé, ou dindim, depende de que lugar do Brasil você veio) se chama chopp. E chopp se chama gelinho (mentira, chopp chama chopp também, ninguém confunde). 

Odeio quando me proíbem de rasgar dinheiro

Eu quase matei a minha mãe quando ela resolveu que ia levar pirarucu congelado de volta pra São Paulo mas descobri observando a esteira de bagagem em Guarulhos que ir a Belém e voltar sem um isopor é como não ir a Belém. 

Se um dia você for a Belém faça um favor a si mesmo e vá comer moqueca de filhote na Peixaria Amazonas (ou em qualquer outro lugar, certeza que vai ser tão bom quanto). Lugar simples, atendimento simpático, preço justo e comida dessas de contar pra todo mundo. É só o que a gente precisa nessa vida.


Sente o drama

Tudo em Belém fica a 12 reais de distância de táxi.

Belém é incrível e dois dias são muito pouco para ver tudo que tem lá.


Foto com cara de "aff tira logo que eu odeio posar pra foto". 

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Sobre nomes e músicas

Eu conheço três Marinas e as três preferiam estar mortas a ouvir pela quinquagésima vez algum velho cantando "Marina, Marina morena, você se pintou..." cada vez que elas se apresentam. Uma delas, inclusive, vociferou dia desses: "Puta música machista, me poupem."

Quando eu estava na escola uma das minhas melhores amigas se chamava Camila. E se chamar Camila em 1990 era ser obrigada a ouvir algum infeliz gritando "Camila - A uoooou! Camilaaa... Camila..." pelo menos umas 10 vezes por dia. Ela tinha pavor. Quantas vezes a gente não cantou essa música fechando os olhos e pensando "ai que liiinda" sem se dar conta de que ela falava de um relacionamento abusivo, heim?

Sem querer ser "e eu?" mas já sendo, podia ser pior, gente. Eu carrego nas costas uma belíssima música chamada "Festa da Paula", que contém versos muito originais do tipo "Paula dentro, Paula fora". Eu ainda não tinha escutado esse trocadilho, sabem? Naquela semana. Na verdade não é pior não, já que ninguém conhece esta desgraça desta música, só eu.

Namorado chama Diego, e na improbabilidade de ser "homenageado" por uma música por ser homem, tem uma também - tem aquela magia e alegria rastafári afrocigana (oi?) de Ragatanga.

Deixo aqui meu abraço às Julianas, Paulas, Marinas, Camilas e outras moças que já foram homenageadas com músicas bosta. Não dá pra escolher, né gente? Nem todo mundo pode se chamara Beatriz ou Luiza, fazer o que?

P.S.: Ok, tem aquela lindeza do Milton Nascimento chamada Paula e Bebeto, mas ninguém sabe que chama Paula e Bebeto, né, todo mundo acha que chama "Qualquer maneira de amor vale a pena", então não vale.

sábado, 2 de maio de 2015

Jesus Van Dame

Trabalhar na emenda do feriado dá nisso.

Conversa na secretaria:

"Paula, a Denise encontrou sentido na vida dela: filme de Jesus com ação."

"Como assim, tipo Jesus Van Dame?"

"Não tipo Êxodo, Noé, que dá altas tretas, altas brigas e tals."

"Ah, tá, pensei que era Jesus por aí fazendo justiça com as próprias mãos, dando altos golpes de caratê etc." 

"Hahahaha não, mas até que esse era boa ideia."