sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

De como eu fui para o PS com uma caixa de transporte

O combinado era o seguinte: eu iria trabalhar, de lá encontraria o namorado no médico e juntos iríamos buscar a nova habitante da casa. Acordei meio mal, com dores no corpo e calafrios, mas primeiro dia de aula, tenho que ir. No meio do caminho percebi que não dava, eu estava mal mesmo. Desviei para o PS. Eu e a caixa de transporte. Não tinha febre, dengue descartada, fui medicada e voltei pra casa. O único pensamento era: preciso melhorar, tem uma gatinha me esperando. Dormi, dormi, comi, dormi, dormi, dormi e no horário combinado lá estava eu, esperando o namorado. Com a caixa. 

Duas horas depois, a caixa não estava mais vazia. Durou pouco, entretanto, pois a pequena miou, miou, miou e eu decidi que a vida é muito curta pra não pegar bebês gato no colo. 10 minutos e a caixa se tornou inútil.

Esta é a Peppa. Prazer, pessoal.



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Joãozinho

Cortei o cabelo bem curtinho. Já usei esse corte antes e sei que daqui a pouco vai ter gente fofa e bem intencionada me marcando em textão de ómi dizendo que mulheres de cabelo curto são misteriosas, descoladas, corajosas e blá-blá-blá.

Coleguinhas, eu sei que a intenção é boa, mas não façam isso. 

Primeiro porque eu não estou nem aí para o que os ómi acham do meu cabelo. Eles não tem que achar nada. Cortei porque é prático e me acho gata de joãozinho, não cortei pra ómi achar bonito. 

Segundo porque textão de ómi exaltando mulher de cabelo curto-ruiva-baixinha-de óculos etc e tal nada mais é do que cagação de regra disfarçada de elogio. É como se sujeito dissesse: mulher de verdade (defina isso, campeão) é assim ou assado, as outras são feias, sem graça ou sei lá o que.

É como a coleguinha Juliana disse: quando ómi escreve este tipo de texto é como se ele estivesse dizendo "pode ter cabelo curto sim, a gente acha legal". Só que eu não lembro de ter pedido a opinião de ninguém. Réshitégui souchatamesmo


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Continho felino

Eis que o casal, após alguns anos juntos, resolve dar um passo à frente no relacionamento e adotar um gato. O desejo partiu da moça, no caso eu, gateira desde antes de ser moda mas que por circunstâncias da vida fui obrigada a abrir mão dos meus felinos. Ele, o namorado, embora goste de animais de estimação, se dizia pouco confortável com a responsabilidade e talvez a bagunça que um gatinho traria. Foram meses de insistência, de vídeos fofinhos no facebook, de reuniões do comitê das tias loucas dos gatos com gráficos e apresentações em ppt para mostrar ao moço quanta alegria um bichinho proporcionaria até que ele se convencesse. O apartamento foi telado, o comitê foi acionado e em poucos dias surgiu uma vira-latinha cinzenta pronta para ganhar um lar assim que sua tutora voltasse do feriado de carnaval. Faltava então apenas os suprimentos para receber a bebê. E eis que o casal vai a um pet shop desses famosos numa noite de quinta-feira providenciar o enxoval da nova habitante. Segue o diálogo:

Eu: boa noite, precisamos de uma caixa de areia.

Vendedor: olha, essa fechada é muito boa, eu uso com os meus porque não deixa cheiro pela casa. Vocês sabem né, pra evitar aquele cheiro de cocô que espanta as visitas. 

Namorado me olha como que diz "mas você não me disse que gato não deixa cheiro pela casa?"

Eu: mas eles se adaptam bem à essa caixa fechada?

Vendedor: olha, vocês sabem como é gato. Se ele quiser vai cagar na sua cama, olhando pra sua cara. 

Moço, pelamordedeos, você sabe o trabalho que deu trazer esse rapaz até aqui? 

Vendedor: mas com um pouco de treino eles se adaptam sim. 

Melhorou, né? 

Eu: e o arranhador, você acha que precisa?

Vendedor: depende. Quanto você gosta do seu sofá? 

Mas moço, você não tem gatos também? Tá do lado de quem?

Eu: a gente gosta bastante do sofá, melhor levar um.

Vendedor: é, mas gato tem dessas, né? Pode gostar do arranhador, pode preferir o sofá, nunca se sabe. Melhor levar um baratinho.

Sério, pior.vendedor.ever. 

A essa hora namorado já estava do outro lado da loja cobiçando os peixes, esses bichos que não fazem cocô fedido na sua cama nem destroem seu sofá mesmo tendo um arranhador power 4000 última geração. Foi arrastado de volta para a seção de artigos felinos e, apesar de todos os esforços do vendedor, não desistiu da gata. Todos as bugigangas os itens de primeira necessidade foram adquiridos e se tudo sair conforme o planejado dia 25 nossa casa terá mais pelos e ainda mais amor.

Quando a bichinha chegar eu faço a apresentação oficial. Desejem-nos sorte.





terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Diarinho

Tem um monte de coisas acontecendo e embora eu ache que na verdade ninguém se importa, eu queria compartilhar.

Uma delas é que a "zica de Janeiro", que já envolveu queimadura de segundo grau no rosto, cirurgia para retirada de farpa no dedo e pé quebrado parece ter dado lugar aos "problemas dentais de Janeiro". Eu que, nunca tinha tido cáries até os 35 anos, tenho passado os dois últimos Janeiros lidando com canais e implantes. Pensem num dinheiro que dá raiva de gastar - dinheiro de dentista, já que é uma grana preta que poderia ter sido economizada se eu tivesse me dedicado um pouquinho mais aos meus dentes. Ódio define.

Fui à Europa. Meu sogro fez 80 anos e quis comemorar na terra natal dele, a Catalunha. Reuniu os sete filhos, alguns netos e muitos amigos em um almoço típico (também já falei disso aqui). Comi muito, bebi muito e chorei muito, pensando na sorte que tem alguém que consegue celebrar seus 80 anos desse jeito e em como é triste o fato de que eu nunca vou poder fazer isso pelo meu pai. De lá segui para a Itália, que eu não conhecia. Amei Veneza, achei Florença ok e descobri que Roma é tão absurdamente linda que pode se dar ao luxo de ter o metrô mais horrendo que eu já conheci.

Decidi voltar a estudar e amanhã começo minhas aulas dos Delta, que é um diploma em língua inglesa. Vai ser punk, vai ser pesado, mas vai ser bom para despertar o bichinho do estudo que estava dormindo aqui. Desejem-me sorte porque em Junho tem uma prova e ela custa muito caro para que eu me dê ao luxo de reprovar.

Vou conhecer o Nordeste no carnaval. Já fui à Suíça mas nunca fui ao Nordeste e isso me envergonha bastante. Bora consertar isso no feriado. Na volta tem academia (yes, me matriculei), treino de corrida (tô voltando aos poucos), muitos artigos para ler e, muito provavelmente, uma nova habitante peluda em casa. Vamos acompanhar. 2015 promete.