sexta-feira, 16 de junho de 2017

Dez horas e meia

Ontem eu sentei em um café com um moço às 15h00 e saí de lá com ele à 1h30 da manhã.

Sim, nós passamos dez horas e meia sentados em um café conversando sobre música, cinema, livros, séries, sobrinhos, relacionamentos, terapia, youtubers, buquês de periguetes (mais informações a respeito aqui). Nós passamos dez horas e meia conversando sem álcool envolvido (mesmo porque se rolasse álcool não teríamos sobrevivido a dez horas e meia provavelmente).

Eu nem sabia que era possível passar dez horas e meia conversando com uma pessoa. Eu possivelmente nunca fiz isso na vida.

O que isso significa? Talvez não muita coisa.

Não sei se vou ver esse moço de novo (eu gostaria, na verdade, mas não sei) mas uma coisa é certa: tem gente legal no mundo sim. E eles estão nos lugares mais improváveis - inclusive num aplicativo de celular.


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Sonhos

Eu vou voltar para a terapia semana que vem. Eu fiz terapia uma vez em 2014, numa época em que falecido e eu quase nos separamos mas acabamos superando. Quer dizer, hoje eu vejo que a gente nunca superou de verdade mas isso é assunto pra outro post.

Minha terapeuta em 2014 era jungiana e eu amava contar meus sonhos pra ela. Esses dias lembrei de um sonho da época e de como o significado dele (ou que ela atribuiu a ele, vá lá) fez muito sentido então e faz mais ainda hoje, 3 anos depois.

Eu sonhei que estava em uma pensão. Era uma pensão escura, feia e suja, no centrão de São Paulo. Ele estava comigo. Entramos num quarto e na parte de cima de um beliche tinha um cara deitado. Ele fumava e batia as cinzas no chão. Nos ofereceram comida. Meu ex não quis. Eu também não queria, mas a pessoa insistiu e eu acabei comendo e achando a comida bem gostosa.

Depois de ouvir meu sonho a terapeuta me falou do simbolismo da comida como uma espécie de passagem para outro universo. Falou das Brumas de Avalon, que eu nunca li, e do Labirinto do Fauno, que é um dos meus filmes preferidos da vida. Ela me falou sobre como, ao entrar na sala do homem pálido, Ofelia é orientada a não comer nem beber nada lá dentro, pois ao fazer isso ela ficaria presa naquele mundo (que era horrível mesmo, no caso).



A pensão era minha vida sem ele. E naquele momento de separação ela me parecia muito ruim. Ao comer a comida eu aceitava fazer parte daquele mundo e ao constatar que a comida era boa eu passava aceitar que talvez ele não fosse tão terrível assim.

Em 2014 nenhum de nós dois teve coragem de aceitar a comida. Em 2017 eu fui obrigada a engolir o que me foi oferecido e no começo foi bem amargo. Ainda é de vez em quando, mas cada dia menos. E nem de longe horrível como no meu sonho.

sábado, 10 de junho de 2017

Why don't you love me?

Eu estava assistindo "Edifício Paraíso" (é uma série bem legalzinha da Fernanda Young, passa no GNT) e em um dos episódios toca uma música linda e tristíssima no final. Amo música triste, etc. Joguei a letra no google e falhei miseravelmente em encontrar a música, apelei para o shazam. Achei, a música é essa (espero que vocês estejam de bom humor):



Fiquei obcecada por esses caras porque sou assim com música. A voz dele gente, meo deos. E sei lá aparentemente eles são um banda de bar, tem vídeos deles com 120 visualizações, menos que "Sr. fofinho comendo ração".

E tem essa:




pick up the pace, it's only a broken heart (vou tatuar isso, mentira nem vou mas...) 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Tenho conversado muito e há muito tempo já sobre essa "vontade-de-largar-tudo-e-fazer-alguma-coisa-completamente-diferente." Acho que todo mundo já passou por isso. Eu amo o que eu faço mas hoje, infelizmente, não vejo mais sentido em investir nisso, em me qualificar mais ainda (eu já sou bem qualificada para os padrões dos profissionais da área e tals mas cês sabem né, o céu é o limite). O que eu poderia investir hoje e que seria uma passo à frente na minha carreira seria em treinar professores, mas  numa área subvalorizada, tratada como bico, os professores são mal pagos e não tem dinheiro para se qualificar, ou seja. Tamo tudo fodido. E como professora de adultos ultimamente o que tenho visto é um monte de alunos desmotivados, cansados, trabalhando demais e que não enxergam o inglês como algo que realmente vai acrescentar alguma coisa na vida deles: é só mais uma dentre as milhares de obrigações que eles já tem na vida.

Daí a gente fica nessa brincadeira de "vou largar tudo e vender marmita vegana" ou "vou aprender costura no SENAC e fazer lingerie vintage" mas parece tudo tão absurdamente distante e irreal que eu só fico aqui inerte fazendo o que eu sempre faço. Inércia foi a palavra dos últimos anos, na verdade, e isso é muito triste. 

Além disso eu tenho essa invejinha das pessoas que tem hobbies de verdade, sabem? Que fazem coisas que elas gostam quando não estão trabalhando. O falecido escalava. Tenho uma amiga que pedala longas distâncias. Um colega que faz guitarras. Eu não tenho. Eu venho aqui, escrevo no blog, saio pra tomar umas cervejas, começo uma série nova e fim. Até que ontem caiu no meu colo uma coisa que me pareceu algo que eu REALMENTE gostaria de fazer: um curso de sommelier de chá.

Sim, isso existe e pra mim parece incrível. O curso é profissionalizante e tudo, tem até TCC. Eu poderia ter uma nova profissão gente!

(Não que eu realmente esteja considerando sommelier de chá uma opção de carreira né, como faz, tem vaga na Catho?)

Mas enfim, eu queria muito fazer isso. Só que custa caro. Bem caro. Mas eu tenho um dinheiro guardado e juro que amei tanto essa ideia que estava a fim de pagar, daí entrei em contato com a instituição pra saber sobre a inscrição e basicamente me passaram uma conta de pessoa física e disseram: deposita uma parte do valor do curso aí e já tá inscrito.

Eu meio que faço isso da vida né gente, vendo curso de inglês. E NÃO é bem assim que funciona. Mandei um e-mail pedindo uma minuta de contrato padrão e a pessoa me respondeu que entregariam o contrato no primeiro dia de aula, em Agosto.

Mas gente, vem cá. Como é que as pessoas esperam que eu deposite 1500 reais na conta de um estranho sem ter um contratinho me garantindo que esse curso existe, que se não existir eles devolvem meu dinheiro, que se eu desistir eu pago uma taxa, etc etc. As pessoas realmente fazem isso?

Tô esperando resposta da galera ainda, pra ver se me mandam o contrato. Há muito tempo eu não ficava tão animada com alguma coisa, espero sinceramente que dê certo. Cruzem os dedos aí.




quinta-feira, 1 de junho de 2017

Então estamos assim:

Minha menstruação está atrasada mais de uma semana e por mais que eu tente racionalizar o tanto que é impossível eu estar grávida (assim, impossível, impossível nível Jesus Cristo não porque rolou sex mês passado porém impossível pois: 3 métodos anticoncepcionais bem seguros aliados, enfim), por mais que eu tente né? Já fiz dois testes de farmácia. Não tô grávida. Mas tô com uma TPM do cão como eu não tinha desde que coloquei o DIU. Aparentemente meu corpo é uma velha carola me punindo por ter transado depois de 6 meses de abstinência. Enquanto isso vou fazer é mais um teste e tomar um chá de canela pra dormir tranquila.

Pra ajudar semana passada um estelionatário me engambelou no caixa eletrônico do Santander, usou minha digital e fez um empréstimo seguido de saque de 2 mil reais. Abri ocorrência e o banco indeferiu pois se ele usou minha digital eu autorizei e pronto. Telefonei xingando muito na agência, me pediram pra registrar um b.o. e ir lá que iriam cancelar o empréstimo. Aparentemente não vou ficar no prejuízo porém: não sabemos ainda.

Tive que ir à delegacia fazer o b.o. pois estelionato não dá pra fazer online. O escrivão estava fumando um Hollywood enquanto digitava meu boletim num teclado apoiado numa revista enrolada. Me senti num filme nacional ruim dos anos 80.

On the bright side: tenho botas novas tão lindas que me casaria com elas se fosse legalmente aceito.



Estou inchada, com cólicas, mal humoradíssima e devendo 2 mil reais pro Santander mas esfriou e posso desfilar por aí com essas lindezas.

Sobreviverei.

Obrigada pela compreensão.


sexta-feira, 26 de maio de 2017

Daí eu saí com esse moço que era muito bonitinho e me levou cupcakes no primeiro date. E ele era lindo, fofo, um papo gostoso. Trocamos uns beijos na porta do bar enquanto o uber não chegava e achei ótimo (tínhamos tomado umas cervejas), mensagens todo dia, marcamos de sair em seguida, fomos ao cinema, etc.

Daí nos beijamos no cinema, ele me levou pra casa e na hora da despedidas nos beijamos de novo e: zero química.

Nada.

Niente.

Rien.

Foi tipo beijar o primo feio depois de encher a cara na festa de natal da família.

Ficou aquela torta de climão no carro, chamei ele pra subir mais porque né, já estava ali mesmo, ele recusou e... sumiu. Como era de se esperar.

Daí essas coisas acontecem e eu penso em como a vida é injusta porque né? Tão bonito e gente boa o moço, mas atração que é bom até teve mas acabou rapidinho.

Next.



quinta-feira, 25 de maio de 2017

Dia nacional da adoção

Hoje, 25 de Maio, é celebrado o dia nacional da adoção.

Quem acompanha meu blog sabe que no dia 8 de Outubro do ano passado eu me tornei tia da Amanda, que foi adotada aos oito anos pela minha irmã.

As pessoas que olham de fora às vezes não sabem muito bem como reagir diante de uma adoção, principalmente uma adoção tardia, como foi o caso dela. E elas falam muita besteira.

"Nossa, sua irmã adotou uma criança de oito anos? Ela é muito corajosa, né?"

Deixa eu contar uma coisa pra você, cara pálida. Ter um filho nesse mundo de merda que a gente vive é meio que um ato de coragem mesmo, chego a dizer quase de rebeldia. Mas adoção não requer coragem não. Requer a vontade e a capacidade de entregar seu coração pra uma pessoa que até um mês atrás você não conhecia. A gente faz isso o tempo inteiro. É amor que chama.

"Olha, a tia da prima da cunhada da minha avó adotou um menino mais velho e nossa, ele deu tanto trabalho..." 

Três palavras pra você: Suzane Von Richthofen. Dando um tempo na zoeira, vamos lá:
a) Eu estou te contando sobre minha sobrinha e a única coisa que você consegue me oferecer é uma visão absurdamente negativa de algo que está me deixando feliz? Você é uma pessoa horrível.
b) Filhos dão trabalho. Às vezes as coisas não saem mesmo como o planejado mas eu garanto que quase nunca tem a ver com o fato da criança ter sido adotada ou não. Os Nardoni eram filhos biológicos e olha que gente boa heim?
c) Adoção tardia certinha, dentro da lei, é acompanhada por psicólogo, assistente social e uma série de profissionais para garantir que aquela criança e os pais tenham todo o suporte necessário para se adaptar à nova vida. Isso minimiza bastante as chances de alguma coisa "dar errado". (Mas não elimina, infelizmente. Durante o processo de adoção é comum ouvir histórias de crianças devolvidas, por mais absurdo e cruel que isso possa parecer)

"Agora ela vai engravidar, cer-te-za!"

No caso da minha irmã foi exatamente isso que aconteceu ~risos~ (sim, minha irmã engravidou um mês depois da chegada da Amanda, Cecília will be in da house em Junho) MAAAAS: você nem conhece a minha irmã, queridinho. Nem sabe se ela e meu cunhado tinham alguma dificuldade pra conceber. Nem sabe se eles estavam tentando. Esse comentário é invasivo,desnecessário e exclusivamente baseado no senso comum, além de ser ofensivo considerar que a adoção é "o que deu pra fazer já que o filho biológico não veio". Se houvesse uma gota de verdade nessa bendita crença poderíamos fechar todas as clínicas de fertilidade do mundo já que a solução para casais com dificuldade de engravidar é tão simples né. Basta adotar um filho e bum: gravidez na sequência garantida.

"Ah, mas deve ser outra coisa ter um bebê assim, com a carinha da gente."

Não, não é. E se você quer ser pai/mãe por isso, não seja. Seus motivos estão completamente equivocados.

"Que sorte a dela encontrar vocês!"

Quem tem sorte somos nós, amigo. Garanto.

Tudo que eu disser sobre a Amanda hoje vai ser um punhado de clichês e embora clichês sejam expressões que, repetidas à exaustão, perderam o significado, no caso dela é tudo verdade. Ela é sim um serzinho iluminado, lindíssima por fora e por dentro, cheia de defeitos como todo ser humano, com manias e birras de criança de oito anos e uma alegria que faz com que a gente esqueça por um momento que ela viveu quase uma década longe de nós. Eu vejo a pele negra dela, aquele cabelo cacheado maravilhoso, e me dói demais imaginar que ela vai passar por coisas que eu e minha irmã, branquinhas do cabelo liso, nunca passamos e nem iremos passar na vida. E me dá vontade de colocá-la num potinho e protegê-la de toda maldade do mundo, mas eu não posso fazer isso. Eu só posso tentar garantir o tempo inteiro que ela saiba o quanto é inteligente, capaz e linda sim. Perfeita.





<3 nbsp="" p="">