segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Aleatoriedades

- Um avaliador apareceu na minha aula semana passada. Eu não entendi direito, mas parece que a escola está tentando se tornar um centro de treinamento internacional e por isso o homem passou a semana toda lá fuçando, observando aulas, professores, estrutura, recepção, a qualidade do cafezinho, enfim, itens indispnesáveis para o funcionamento de um centro internacional. Quando meu coordenador me avisou, na terça-feira, eu meio que duvidei - ah tá que o Mr. Fulano de tal vai aparecer as sete da manhã para observar aula individual - mas eis que sete e dez Mr. Whatever estava lá, de suéter nerd e gravata borboleta, juro.

Até aí tudo bem. Minhas aulas já foram observadas milhares de vezes, mas pela primeira vez em anos pelo Mr. Woody Allen em pessoa. Não estou exagerando - o homem era uma espécie de irmão gêmeo congelado (pois devia ser um pouco mais novo) do cineasta nova iorquino. Sério minha gente, como é que alguém dá aula com o cara que dirigiu Hanna e suas irmãs fazendo anotações no fundo da sala? Assim que o homem saiu meu aluno (o paisagista fofo do post anterior) não aguentou:
"Meo deos, mas ele não é a cara do Woody Allen? Se ele não saísse logo eu ia ter que falar." Era. Perturbadoramente parecido.

- Mais tarde tive que aceitar carona do meu outro coordenador, o burro. (Nota - eu trabalho em cinco lugares diferentes, portanto tenho uma penca de coordenadores). Já reclamei dele aqui algumas vezes. Enfim, ele estava saindo para dar aula numa empresa no mesmo horário que eu e ficava chato dizer "ó, prefiro ir a pé porque você é um mala, heim?" E foram quinze minutos constrangedores ouvindo música grega dos anos 80 (eu já disse que, além de tudo, ele é grego?) na ida E na volta porque as aulas dele acabam no memso horário. E vai ser assim duas vezes por semana até o fim do semestre.

- Sábado fui a um restaurante indiano McDonald's style (combo 1, 2 3...) na rua Augusta. A vista de dois indianos legítimos no recinto impressionou um pouco, mas no fim das contas nada de especial, comidinha sem graça beeem fast food mesmo. Quer um indiano bom a preço honesto, dica - Gopala, na Antônio Carlos.

- Depois do restaurante fui ao Center 3 assistir A origem. Adoro andar pela Paulista e pela Augusta de sábado a noite para ver os tipos esquisitos e comprar filmes cults piratas. Quanto A origem, tive sensações contraditórias: é um filme de ação, ponto. Eu normalmente não gosto de filmes de ação, explosões, tiros etc, mas gostei desse. É visualmente bonito, a história envolve e salvo algumas cenas looongas e desnecessárias ele se desenvolve bem para as duas horas e meia. Mas é só. Não consegui enxergar aquela coisa filosófica toda que ele tenta imprimir - achei filosofia barata, e se for pra discutir sonho/realidade e blábláblá sugiro Waking Life, que é beeem mais perturbador (mais devagar também). Mas o estrago já está feito - A origem vai virar um daqueles filmes de gente cultzinha besta que acha a maior sacada do universo a moça que projeta o labirinto se chamar Ariadne ou a "vilã" se chamar Mal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário