quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Aos alunos, com carinho

E hoje eu acordei toda amor no coração pelos meus alunos particulares e resolvi compartilhar com vocês algumas peças raras que passam pelo meu caminho:

- Tem o senhor do sábado de manhã que é meu aluno há anos. Ele trabalha numa companhia de seguros, tem três filhas e fala Inglês como o Joel Santana (sem o sotaque carioca).

- Tem o arquiteto paisagista das terças e quintas. Acho que por trabalhar com plantinhas e coisas bonitas ele é todo zen, fala baixinho, gosta de teatro e de café. Queria  que ele fosse meu segundo melhor amigo gay.

- Tem a senhorinha que já viajou muito e sempre tem uma história de como ela se lascou mundo afora por não falar Inglês. E tadinha, continua não falando porque apesar dos meus esforços ela se parece com o Joey aprendendo Francês naquele episódio de "Friends".

- Tem o engenheiro que adora gramática e gosta mais ainda de contar as histórias da filhinha dele que está aprendendo a andar.

- Tem o gordinho sorridente da TI que começa toda frase com "How can I say that?" e adora novela japonesa.

- Tem o senhorzinho japonês fofinho que toda semana traz algum artigo de revista ou uma palavra nova relacionada à aula anterior.

- Tem a colega do senhorzinho japonês que é muito bonita mas toda semana aparece com os cortes de cabelo mais pavorosos.

- Tem a mocinha que mora lá na PQP, trabalha o dia todo, faz faculdade lá na outra PQP, passa quatro horas por dia dentro de um ônibus e ainda assim está incrivelmente bem humorada as sete e meia da manhã.

Resumindo, eu sou uma pessoa de sorte. Num universo de milhões de babacas nessa cidade, meus alunos são, quase todos, gente divertida e agradável, que torna meu trabalho bem mais fácil.

Acordei mulherzinha hoje.

Um comentário:

  1. Essas horas é que dá gosto dar aula, né? As amizades que a gente faz, as histórias que ouve... Bem diferente de aguentar quarenta pentelhos que nos fazem querer defenestrar...

    ResponderExcluir