sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Sobre terrorismo médico

Uma vez escrevi sobre isso e acho que hoje é o momento oportuno e retomar o assunto. Gostaria de iniciar com uma pequena lista de coisas que você NÃO deve dizer ao me ver usando minha bombinha de asma:

"A prima do tia de uma vizinha morreu por causa disso aí, viu?"

"Nossa, mas sabia que isso vicia?"

"Eu conheço um remedinho homeopático que olha, vai acabar com essas crises na hora, melhor coisa."

Quanto à última frase, gostaria de esclarecer que eu não acredito em homeopatia. Ponto. A alopatia está aí há sei lá quantos anos evoluindo e, surpresa, curando as pessoas. Não me venham com aguinhas, floraizinhos e formulinhas milagrosas. Aos entusiastas da homeopatia, inclusive, recomendo que assistam a esse video e parem de me encher o saco:

As frases restantes enquadram-se no que eu chamo de terrorismo médico. Todo mundo já foi vítima dos disseminadores dessa filosofia segundo a qual tudo pode ser muito pior do que parece.

Exemplo: sábado esta pessoa inteligentíssima que vos escreve achou que seria legal ficar bem bêbada e dormir com as lentes de contato. Resultado: acordou com os olhos inchados, vermelhos e lacrimejantes, especialmente o direito, que parecia estar a prestes a cair da minha cavidade ocular. Como médico é coisa de bichinha, passei quatro dias usando óculos e achei que estava tudo bem Esperta que sou, ontem recoloquei as mesmíssimas lentes que haviam ferrado meus olhos no sábado.

Ao longo do dia meus olhos foram ficando vermelhos outra vez. Lá pelas seis a tarde uma aluna diz: "olha, é melhor você ver isso, porque meu marido pegou uma AMEBA no olho e quase perdeu a visão."

Quer dizer, agora não basta fazer terrorismo. Tem que ser um terrorismo do tipo bizarro, envolvendo seres microscópicos nojentos e cegueira.

Pessoa joga as lentes no lixo, dá mais duas aulas á la Mr. Magoo e amanhece hoje pior ainda, enxergando tudo embaçado e mal conseguindo abrir os olhos. Surta pensando na ameba assassina e planejando já comprar uma impressora braille. Corre ao hospital. Ganha um diagnóstico de córnea arranhada, um tampão por um dia e uma proibição de lentes de contato por uma semana. Não vai precisar de um cão guia, pelo menos por enquanto.

Vou sobreviver. Mas o próximo que vier com um "olha, cuidado, eu conheço uma pessoa que..." vai ficar falando sozinho. Na melhor das hipóteses.

4 comentários:

  1. nada me irrita mais do que esse papo planta de homeopatia. vivo à base de quilos de remédios e tb ouço histórias escabrosas sobre gente cujo cérebro virou pasta e escorreu pelo nariz por causa do uso constante de Claritin, por exemplo.

    ResponderExcluir
  2. Responde com um "Olha, cuidado, mas eu conheço uma pessoa que começou a fazer terrorismo médico e terminou com um olho roxo".
    Odeio ficar doente, odeio ir ao médico e odeio pseudo-doutores.

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. TÔ falando sério: considere a homeopatia para a asma. É asma? Pegunte sobre mim para a minha mãe. Você nem sabia desse meu passado asmático, né?

    ResponderExcluir
  4. Minha mãe é neta de farmacêutico, então oferecer chazinhos e plantinhas aqui em casa é como oferecer arsênico.

    ResponderExcluir