quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Parte II - Marselha e Lyon

Depois de quatro dias em Barcelona rumamos para a França. Pouco mais de 1000 quilômetros até Paris, que resolvemos dividir passando uma noite em Marselha e outra em Lyon antes de finalmente chegarmos À capital.

Os catalães bem que nos avisaram sobre Marselha com aquela cara de "Aff, mas o quê vocês vão fazer lá, pelamor" e até que eles tinham razão. Num dia ensolarado e sem as obras e os tapumes bloqueando a praia Marselha talvez seja mais agradável, mas confesso que deixar a colorida Espanha e chegar numa França cinza e esburacada foi um certo choque.

Almoçamos em um restaurante no que deveria ser a avenida do porto (se desse para ver o mar atrás dos caminhões e das barreiras), numa cidade meio bagunçada e cheia de torcedores de um time turco (namorado disse o nome um milhão de vezes, não adianta, não lembro) que jogaria naquela noite contra o Olympique de Marseille. Acho que os turcos ganharam. Só mais tarde descobrimos que as vielas por trás dali escondiam lugares muito mais agradáveis, com bistrôs fofinhos, fontes e ruas de paralelepípedo. Faltou só o tiozinho com o acordeom, mas esse vimos bastante em Paris. Marselha se redimiu nos 45 do segundo tempo e deixou uma vontadezinha de voltar um dia no verão.


Uma tentativa de jantar a beira-mar 


Ignorem os óculos tortos e foquem no fundo fofinho.


 É um porto, gente, eu esperava o que? Ibiza?

Dia seguinte toca arrastar mala até Lyon, mas só depois de um desvio programado de umas três horas para almoçar na Suíça (me senti o Vitor Fasano, agora). Passei pouquíssimo tempo em Genebra, muito menos do que o necessário para formar uma opinião real sobre o lugar, mas a que ficou foi que a cidade é muito... suíça. Arrumadinha, limpinha, certinha como um relógio. Comi um fondue igual a quase todos os outros que já comi na vida em um restaurante de portugueses (pois é pois é pois é), tirei umas fotos no lindo lago Genebra e seguimos de volta para o território francês. A Suíça ganhou um check-in bobo no meu trip advisor e vai ficar em stand-by. Posso dizer que pisei lá, mas não que conheci o lugar.


Sim, o lago é uma lindeza só. 



Riqueza define

Primeiro momento "desculpa, sociedade": se eu soubesse que Lyon era tão legal talvez tivesse pulado Genebra para chegar lá mais cedo. O fato é que, dividida por dois rios, Lyon tem uma cara linda de cidade antiga, tradicional mas moderna ao mesmo tempo. Fizemos a "turistada" que deu tendo chegado lá as seis da tarde - seguindo a recomendação da recepcionista do hotel, subimos de funicular até o topo da cidade velha para dar de cara com uma vista deslumbrante. De lá fomos descendo a pé, curtindo as ruazinhas com restaurantes antigos e outros mais descolados, lojinhas coloridas, gente velha, jovem, todo mundo aproveitando a noite de sexta. Terminamos em um bar cheio de adolescentes, tomando um monte de chope (nos confundimos com o cardápio, achamos que era uma jarra e na verdade eram 10 pints) enquanto na TV passava uma vídeo-retrospectiva de aniversário da Fanny, que a julgar pela moça emocionada na mesa ao lado, já viu dias melhores.


Eu sei que está desfocado, sou cega não, mas é da câmera alheia e no momento é o que temos.






Tudo lindo assim mesmo.

Rolou todo um apego com Lyon. Como eu disse antes, sou dessas. Precisa de pouco pra me conquistar, sou facinha.

Um comentário:

  1. Eu tambem acho Lyon linda de morrer, mas como eu quase morri la eu fiquei com magoa... mimimi...

    haha

    ResponderExcluir