quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Seria cômico se não fosse trágico

Todo mundo já ouviu isso alguma vez na vida. É sim, um tremendo clichê, coisa que euzinha procuro evitar mas, coleguinhas, depois de ler a história que contarei a seguir vocês entenderão que não poderia haver outro título para este post.

Irmã do meu chefe também tem uma escola de inglês, sabem? E, dia desses, funcionária nova na secretaria recebeu uma ligação do PS. O marido, motoqueiro, tinha sofrido um acidente. Mocinha vai embora do trabalho desesperada, meo deos, primeira semana no emprego e já uma dessas, e o marido, gente, teria sido grave?

Mocinha chega aos prantos no PS. Marido está em bem mas a moça que estava com ele infelizmente não sobreviveu.

Opa, que moça, meu senhor? Secretária presta atenção. Logo ali uma família chorando a perda do seu ente querido na garupa de uma moto - vai conversar com eles. Era sua filha que estava na garupa, senhora? Era sim. E a senhora conhecia o moço que conduzia a moto?

LÓGICO, MINHA FILHA, ERA NAMORADO DELA.


Tá, não tem graça porque a moça morreu mas gente? Nunca aquela história de "nada está tão ruim que não possa piorar" fez tanto sentido.

2 comentários: