quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Enlouqueça seu roommate antes que ele enlouqueça você

Professora estrangeira lá de escola contando que no apartamento que ela divide existem cinco lixeiras no banheiro e cinco na cozinha, uma para cada moradora. Primeira reação é imaginar que ela mora em um lugar bem grande porque no meu banheiro mal cabe uma lixeira, imaginem cinco. Em seguida lembrei das histórias que eu vivi e ouvi nos meus anos de república:

O lixo
A mesma professora disse que outro dia precisou fazer uma viagem de emergência e perguntou para a colega se tinha algum problema descer com o lixo naquele horário. A moça respondeu que normalmente desciam com o lixo mais tarde e alguém poderia reclamar.

"É que eu vou pegar um voo daqui a pouco e não queria deixar meu lixo aqui."

"Quantos dias você vai ficar fora?"

"Quatro."

"Aaaah, quatro dias bem fechado ali no canto acho que ele aguenta."

O quer aconteceu com o "deixa aí que quando eu descer com o meu levo o seu também"? Jamais saberemos.

A discórdia
Eu morava com duas meninas, a M e a L. Um dia cheguei em casa e tinha um ~enfeite~ em cima da mesa que devia ter sido cuspido pelo capiroto de tão feio. Quando a L viu, comentou:

"Aff, só pode ser coisa da M essa merda."

Sendo a M conhecida pelo mau gosto e sendo ela também a dona da casa, restou me conformar em olhar para aqueles duendes de durepoxi pendurados num pedaço de tronco durante meses. Até o dia em que a L foi embora.

"Senhor!" reclamou a M "Não acredito que ela foi embora e largou esse treco aqui."

"Ué, não é seu?"

"Lógico que não, cê acha que eu ia botar um negócio horroroso desses em cima da minha mesa?"

O telefone
Antes dos celulares baratos e do plano infinity da TIM, eis que a conta do telefone fixo da república andava aparecendo com aquelas ligações compridas em horário comercial para o Acre que eram como filho de jogador de futebol: ninguém queria assumir. De saco cheio de pagar a conta dos outros, uma das moradoras foi para a casa dos pais no fim de semana e levou o aparelho de telefone. Quando voltou descobriu que outra moradora tinha puxado uma extensão para seu próprio quarto, instalado outro aparelho, tirado do gancho para prender a linha, trancado a porta e ido passar a semana na casa do namorado. Fim

O quadro do Chaplin
Ainda M e L. Um dia M chegou carregando um quadro daqueles de espelho com aquela imagem do Carlitos e do garoto de rua pintados em preto por cima. Nível tronco com duendes de durepoxi de feiúra. Estava radiante, feliz mesmo, dizendo que a-ma-va aquele quadro e que a mãe tinha achado no meio das coisas dela lá no Maranhão. Sim, aquela desgraça tinha viajado do Maranhão até São Paulo e sobrevivido.
M deixou o quadro encostado numa parede num canto da sala e foi trabalhar, dizendo que o penduraria em lugar nobre da casa assim que voltasse. L e eu passamos alguns minutos inconformadas com a possibilidade de ter que olhar para aquilo todo dia ou pior, de receber nossos dates em casa e eles virem aquela coisa.

(Parentêses: além de ter mau gosto para decoração a M também tinha mau gosto para livros, pois ela tinha uma cadelinha poodle chamada Brida)

Dois segundos depois só vejo a L passando em direção à cozinha e, no caminho, dando aquela esbarrada de leve no quadro, que caiu e quebrou. Diante da minha cara de "cê tá louca", ela só retrucou:

"Foi a Brida"

Tem mais histórias de onde essas vieram, garanto. Aos poucos eu vou lembrando. Vida de república é meio tipo casamento arranjado, mas sem o sexo - o que eu não sei bem se é uma vantagem.

4 comentários:

  1. Sensacional, Paula! E que doidera a república dos 5 banheiros! Eu dei sorte na vida no quesito roommates, pelo jeito!

    ResponderExcluir
  2. Hahahahah As Crônicas de M e L, já sou fã. Mas, gente, de quem era o enfeite então? oO Paula, era seu, pode confessar.

    ResponderExcluir
  3. Hahaha Felipe, tenho quase certeza que o enfeita era da L e ela colocou lá só pra gerar discórdia na casa.

    ResponderExcluir
  4. Nível 1.000 de identificação.
    Rommate X. trouxe um joguinho de xícaras com desenhos de cupcakes. Consideramos seriamente pagar 20 conto para a faxineira dizer que foi ela.

    ResponderExcluir