terça-feira, 30 de junho de 2015

A irmandade do quilo

Eu sou professora de inglês e durante boa parte da minha vida trabalhei em 476 lugares diferentes ao mesmo tempo, o que significa que eu nunca tive um rotina para coisas básicas tipo: almoçar. Almoçava quando dava, onde dava, o que dava.

Hoje eu coordeno uma escola de idiomas e minha rotina ficou mais tranquila, então almoço todo dia no mesmo lugar, um quilo vegano a dois quarteirões da escola. Não sou vegana mas gosto de lá porque é barato, a comida é deliciosa e carne, ovo e laticínios não fazem muita falta na minha dieta, então tudo bem. E quando a gente almoça sempre no mesmo lugar e no mesmo horário parece que surge a ~irmandade do quilo~. No caso, do quilo vegano, o que traz ainda mais personagens para nossa confraria. Fazem parte da irmandade do Delícia Natural (sim, é esse o nome do restaurante) das 12h00 às 12h40:


- Os moleques com uniforme do colégio adventista que fazem um Everest de alface, tomate e cenoura no prato.

- As velhinhas que pegam um colherada de absolutamente TUDO que estiver no bufê.


- O casal hipster que bate altas DRs diárias. O moço guarda a mesa enquanto a moça se serve mesmo o restaurante estando vazio.


- As crianças do colégio adventista que pulam a salada e comem só macarrão e pizza. (Cês acham que vegano só come mato?)

- O gringo que escolhe cada folha de rúcula que vai colocar no prato como se a vida dele dependesse disso. Nunca fique atrás do gringo. Repito: nunca.



- A moça de cabelo super liso, super comprido e super preto que deve estar tentando converter a galera do escritório, pois cada dia aparece com um colega diferente.

- As professoras do ensino fundamental do colégio adventista que se sentam bem no cantinho para não ter que interagir com os alunos.

- A tiazinha que vai lá todo santo dia e ainda assim faz questão de perguntar o que é cada coisa quando não tem plaquinha.



- O homem que trabalha no banco e leva muito a sério esse negócio de irmandade do quilo porque outro dia faltou me abraçar na fila da Caixa Econômica.

- O professor de história do colégio adventista (Todos os adventistas são veganos gente? Me expliquem) que usa cachecol mesmo no calor e adora falar bem alto sobre como ele é idealista e vai mudar o mundo.

- A magrela que almoça sozinha, sempre repete a quiche de abóbora e nunca pula a sobremesa. (euzinha)

Acho que deveríamos elaborar um cumprimento secreto. Desses que só essa gente esquisita que não come carne, ovo ou laticínios conseguiria reconhecer.



Nenhum comentário:

Postar um comentário