sexta-feira, 31 de julho de 2015

Sobre aceitar derrotas

Quando eu penso em aceitar derrotas minha referência imediata é a final de qualquer temporada de Ru Paul's Drag Race, quando ele anuncia a vencedora e a outra finalista fica lá, tendo que bater palmas e fazer aquela carinha de "graceful loser" quando na verdade queria mesmo era dar na fuça da que ganhou. 


Ou o Leo, né? Leo entende de derrota como ninguém, dá cá um abraço, miga. 

No meu caso, especificamente, eu não fui derrotada por ninguém, apenas (*alarme de clichê chegando*) por mim mesma. E pelos critérios de avaliação de Cambridge, talvez. Deixa eu tentar explicar o babado rapidinho para quem não é da área.

O Delta (Diploma in Teaching English to Speakers of Other Languages) é um certificado internacional emitido pela Universidade de Cambridge que eventualmente me qualifica como tutora de outros professores que estão tirando certificados anteriores, como o CELTA. É composto de 3 módulos independentes que podem ser feitos em qualquer ordem. O primeiro é uma prova longa e exigente para a qual eu me preparei durante seis meses em um curso que não era baratinho não. E a prova em si custa 700 reais parcelados no cartão, estou pagando até agora. A nota para passar? 50%. Fiz o curso, fiz simulados e estava indo bem em todos, por isso estava relativamente confiante no resultado da prova que saiu hoje.

Como vocês podem imaginar pelo título deste texto, eu não passei. Não consegui fazer fucking 50% de uma prova para a qual eu me preparei, afinal de contas. Das sete pessoas que prestaram, até agora quatro reprovaram, duas passaram e uma ainda não se manifestou no grupo do whatsapp. 

O frustante disso tudo, na verdade, é que a prova é composta de duas partes, cada parte com papers diferentes, e nos meu resultado eu recebo apenas um belíssimo FAIL. Não tem um feedback, não tem uma estatística, não sei em que partes eu fui bem (se alguma) e em quais me fodi, para poder focar nisso. Eu respondi tudo, segui o layout, fui bem nos simulados, tive acesso a provas que passaram para ver modelos. E não consegui uma bosta de um 50%. Frustração define, principalmente porque eu sempre fui o tipo de pessoa que tira prova de letra. Eu não fico nervosa, eu foco, eu sei quais são meus pontos fortes e fracos. Eu treino e fico íntima do formato. Eu me preparo. 

Eu nuca tinha reprovado em prova nenhuma antes, nem no vestibular, nem na faculdade. Nunca. Acho que por isso esta derrota está sendo tão difícil de engolir. 

4 comentários:

  1. a sua experiência me lembrou quando eu zerei a redação do vestibular. por dels, quem faz isso? desde a sétima série ouvia das professoras de literatura/redação que eu passaria em qualquer vestibular, já tinha pontuação pra passar em primeiro lugar só com a nota mínima... e eu zerei. também não tinha reprovado em nada na vida e passei meses em choque. demorei pra aceitar e nunca entendi. mas fazer o quê? dói mesmo. e sem querer soar pollyanna (porém já soando), o importante é que a gente pode tentar de novo. quando finalmente passei com uma nota boa valeu todo o perrengue e eu gritei CHUPA, HATERS ao vento com gosto.

    ResponderExcluir
  2. É um saco isso, mas vc supera e depois vai arrasar.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, mas que bosta, meu! E nao ter um feedback eh pra matar mesmo, ne? Porque se a gente sabe que opa, passei a resposta das questoes no lugar errado, sou burra mesmo q erriei tudo ou sei la, da pra pelo menos ficar nas partes fracas pra proxima prova... Ow, nao desiste nao... Eu sei que eh uma grana, um tempao e um desgaste terrivel, mas vai valer a pena!

    No meu caso, de pessoa que nunca tinha reprovado em NADA nessa vida, foi a maldita prova pratica de direcao... Q eu repeti DUAS FUCKING VEZES!!! ODIO!

    ResponderExcluir