terça-feira, 14 de junho de 2016

Projeto casas - onde eu nasci

A ideia não é minha - veio de um blog pelo qual eu passei nessas andanças na Central do Textão gente, desculpa, não lembro qual foi. Se você for a dona dele e passar por aqui pode se acusar que eu dou os créditos.

Vou me mudar em breve. E me dei conta de que estou indo para minha décima primeira casa. Acho um número considerável para alguém de 37 anos então resolvi dar aquela passeada pela memória para falar dos lugares onde eu morei.

A única memória que eu tenho da casa onde eu nasci vem das fotos, já que minha família se mudou de lá quando eu ainda era bebê. Sei que ficava perto do aeroporto de Congonhas. Sei que era uma ladeira. Sei que, como 90% das casas de classe média na época, tinha o piso de caquinhos vermelhos no quintal. Sei que era um sobrado. Eu me lembro mais de visitar, anos depois, a madrinha da minha irmã, que morava na casa ao lado e imagino que fosse muito parecida com a que eu nasci.

Essa madrinha da minha irmã tinha uma filha bem mais velha que eu e que me adotou como boneca viva. Diz minha mãe que a primeira palavra que eu disse não foi mama nem papa, foi Déia, a filha da vizinha. Tive notícias dela um tempo atrás, mas hoje não sei. Lembro da rede no fundo do quintal e da alegria que era balançar nela. Sei que a casa era alugada e de lá meus pais se mudaram para a casa que compraram, em Osasco. Essa fica para o próximo post.


Sim, o menininho de macacão amarelo sou eu, com a Déia e a minha irmã. Como a minha irmã está na foto, acho que nessa época a gente não morava mais lá. 



O chão de caquinhos e eu no meio, emburrada como sempre. 

3 comentários:

  1. então, estamos na média. eu tenho 57 e já me mudei 22 vezes.
    tb me lembro de ter lido um post sobre mudança de casa na CT, mas tb não lembro qual blog.

    ResponderExcluir
  2. 40 anos, apenas 7 casas #defasada

    (e que fotos tão bonitas, sei lá, gosto das fotos menos posadas)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, as fotos não posadas são culpa da minha mãe, que sempre foi péssima fotógrafa e saía apertando o botão da máquina a esmo.

      Excluir