sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Lembrete

Talvez seja o verão, a proximidade do momento em que eu vou ter que colocar biquíni na frente de um monte de gente que eu conheço mais ou menos, meu aniversário chegando (os "enta" cada vez mais próximos, deos). Ano passado foi a mesma coisa: de uma hora para outra eu comecei a ficar obcecada com o meu corpo.

Fora a adolescência, que costuma ser complicada, no geral eu sempre fui bem resolvida com o meu corpo. Sou magra, branca, 1, 69, padrãzinho. Um pouco de celulite, uns vasinhos estourados, a bunda já esteve melhor, mas nada que realmente incomodasse. Uso o mesmo número de roupa desde os 18 anos, nunca briguei com balança, tava tudo bem. Mas ano passado, nesta mesma época do ano, me peguei numa clínica de estética fazendo um tratamento bem dolorido para "gordura localizada", a.k.a. os quadris que minhas antepassadas italianas me deixaram de herança. Minha irmã ganhou olhos azuis, eu ganhei quadris. Sim, é ridículo eu estar incomodada com isso. Mas eu, a bem resolvida, a desconstruidona, tava lá gastando dinheiro com um negócio que é no mínimo inócuo, no pior cenário de todos perigoso.

Esse ano eu estava quase caindo na mesma armadilha, porém:



Meu corpo é ótimo, saudável, me leva pra onde eu quero e é só isso que eu preciso. Cuido dele para que ele se mantenha assim, não para que ele mude e se adeque ao padrãozinho doido que eu inventei porque né? Eu já sou padrãozinho. E se eu que tô super dentro do esquema de vez em quando entro nessa bad, não consigo nem imaginar a luta que é para quem está longe do padrão.

Gatíneo da positividade pra ajudar a gente nesses dias ruins

Este post foi só um lembrete para mim mesma que está tudo bem. E que é pra eu parar de criar minhoca na cabeça. Talvez sirva pra vocês também. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário