Sobre relacionamentos merda e autoestima

No último ano novo eu estava com uma turma de 10 pessoas em Ilhabela. Nós alugamos uma lancha para passear pelas ilhas e em uma das paradas a lancha atracou relativamente longe da praia. Ao ver a distância ele me perguntou: "você consegue?" Respondi que sim. Ele pulou na frente e foi nadando. Eu demorei um pouco mas fui. Eu nadei a minha infância inteira, mas não atravessava uma piscina há uns 3 anos. No mar, nunca. Sempre tive medo. Mas fui. No meio do caminho comecei a engolir água. Bateu um desespero e por alguns segundos eu achei que ia me afogar. Consegui me acalmar e com a ajuda de dois amigos voltei para o barco. Ele já estava na praia e só ficou sabendo disso hoje.

O que para ele era uma pergunta que denotava preocupação, para mim soou como um desafio. Eu tinha que provar pra ele que conseguia. A questão é: por que aquela pergunta pareceu um desafio pra mim?

Eu percebi que precisava o tempo todo provar pra ele e pra mim que eu era capaz das coisas, que eu conseguia, e o motivo era simples: eu achava que não. E eu achava que não porque estava há anos ouvindo aquelas coisas que a gente toma como zoeirinha de namorado, "burrinha" "e esse bracinho gordo aí?" "como você viveu tanto tempo antes de me conhecer?". Eu tinha me acostumado a ouvir que meu cabelo estava parecendo o do Beiçola e dificilmente passava um dia sem algum comentário depreciativo sobre minhas roupas "tá de luto?" "vai pro rodeio?" "e essa calça desbotada aí?"

Isso não é zoerinha de namorado. Isso mina nossa autoestima sistematicamente e nos torna pessoas inseguras a ponto de achar que é, a gente não consegue fazer nada direito mesmo. E a gente vai engolindo essas coisas em nome das coisas que o relacionamento tem de bom sem perceber o quanto elas são destrutivas. Eu disse isso a ele e ele pediu desculpas, mas adivinhem. Desculpas não vão consertar o estrago feito por anos de comentários desse tipo. E o que mais me dói hoje é perceber que eu, que sempre me considerei muito independente, inteligente e segura de mim, caí nessa armadilha e deixei que ela me fizesse tão mal.

Ninguém está imune. Absolutamente ninguém. E eu escrevi isso hoje aqui só para dizer que não é normal. Que não é zoeirinha de namorado e que se te machuca, está errado. E eu sou a prova de que é dificílimo enxergar isso estando dentro do relacionamento. E a culpa não é sua.

Comentários

  1. estou passando por isso agora. quase 5 meses de zoeirinha de namoro e acabando com minha autoestima que tanto lutei pra recuperar. to fora. to chorando, sofrendo, mas vou ficar bem de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui foram 9 anos hahaha, calcula o estrago. Mas não é culpa nossa. Somos pessoas incríveis e infelizmente isso acontece com muito mais gente do que imaginamos. Inclusive com pessoas incríveis.

      Excluir
  2. Passei por isso também. Mas a gente sobrevive. E aprende. (É meu lema para os últimos dias.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A única coisa que eu espero agora é ter aprendido ;)

      Excluir
  3. Querida, fazia um tempo que não lia teu blog, levei um susto com a notícia. TAmbém já passei por isso. NO começo, sentia vergonha por ter me deixado minar por comentários assim, justo eu, forte, independente bem resolvida - assim como você. Não somos imunes, mas podemos aprender. E eu aprendi um bocado. Chore tudo que precisa chorar, não engula os sentimentos, viva o luto da separação, amasse bastante a felina, beba vinho sozinha. Não sei por quanto tempo você ficará assim, mas quando superar, verá que está ainda mais fortalecida, mais amadurecida, se conhecendo ainda mais para saber o que quer e o que não aceita nunca mais. Te desejo força!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada <3 O bonito de me abrir aqui foi perceber que eu realmente não estava sozinha. A gente supera sim, e renasce melhor que antes

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Gata, vamo lá, sem passar a mão na cabeça.
    Eu namorei um cara assim. Aliás, era pior. Porque ao contrário dessas brincadeirinhas que um homem faz com outro e que eles acham que é a mesma coisa que fazer com mulher, o meu passava o dia pensando em formas de acabar comigo. Porque ele não fazia piada, ele falava sério. Que eu não podia comer carboidrato após às 18h porque eu estava gorda. Que eu jamais escreveria para a revista X, porque meu conteúdo permitiria no máximo a revista Caras. Que eu era fútil. Que eu era imatura. Que eu era uma menininha muito igual a todo mundo. Pra que eu estava usando essa calça, querendo valorizar o corpo? Que coisa de gente rasa!

    Pra se ter uma ideia da merda, quando eu terminei com ele, eu emagreci OITO QUILOS EM VINTE DIAS. Depressão? Não. Tirei o peso daquele imbecil das costas. Eu estava cheinha e estressada de viver com aquele idiota. Lembro que terminei com ele no dia 8 de dezembro e na festa de Ano Novo eu estava magrinha e linda.

    E sabe o que eu percebi? Que a culpa também é nossa. Não adianta a gente dizer "ele fez isso comigo". Nós também nos fizemos. É por isso que eu fico puta quando essa mulherada fala de empoderamento, como se isso fosse um fenômeno social, dos outros deixarem de ser assim ou de fazer aquilo. Tem a ver com a nossa consciência, da nossa força interna, de parar de depender da opinião dos outros e de parar de colocar homem como referência.

    E quer saber mais? Desculpas não vão consertar o estrago, mas o conserto depende só de você. De você ter consciência de que é linda, que é inteligente, que é legal pra caralho, que é uma pessoa delícia, e que o que ele acha ou deixa de achar, brincando ou não, é problema dele e não te afeta.

    Eu sei que vc tá fragilizada, amore, por isso te digo: você é uma das pessoas mais admiráveis do mundo. Você é incrível. Não é esse e nenhum outro cara que vai mudar isso. Portanto, olhe-se como a pessoa fantástica que é, e o resto você joga numa lixeira e põe fogo.

    Bjos de sua fã.

    ResponderExcluir
  6. Amigaaa! Vamos nos abraçar!
    Me identifiquei muito com o que você escreve, saí de um relacionamento de quase 5 anos, e faz quase 7 meses (sim eu conto).
    E hoje me sinto tão bem, tão eu!
    Mas isso tudo que você falou aconteceu comigo tbm, tinha que provar pra ele que eu era a pessoa certa, que ele n deveria me largar, que eu poderia mudar sempre pra agradar ele, tive que ouvir coisas do tipo "eu já fiquei com mulheres muito mais bonitas, mais inteligentes e mais gostosas que você, se tô com vc é porque quero" Pensa como isso foi me matando aos poucos, e a gnt nem percebe.
    Mas eu me libertei. Não sem antes chorar muito, fazer terapia, mas eu consegui, e sei que sou muito melhor, muito mais inteligente, muito mais madura, muito mais gostosa, e muito mais bonita sem ele!

    Beijo enorme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que merda que a gente tenha que passar por isso pra aprender a se colocar em primeiro lugar, né? A gente já deveria nascer sabendo dessas coisas ;)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas