quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Como é que anda a vida

E já que aqui é diarinho, que ele cumpra sua missão. A vida, como tá?

Voltei pra faculdade. Resolvi tirar minha licenciatura em inglês para poder me especializar em educação bilíngue e dar aula em colégio regular. "Cê tá louca, Paula"? Então, na verdade não. Percebi que na minha área, em colégio, tem pouca gente qualificada de verdade (faculdade de Letras não ensina inglês pra ninguém não, viu?), tem salários bons (no particular, né?), tem duas férias por ano e não tem trabalho de sábado. Só vi vantagens diante da minha realidade atual, então coragem. Consegui aproveitar bastante coisa da minha primeira graduação então acho que termino em dois ou três anos no máximo. Arrependimento só de não ter começado antes.

Meu horário está bem louco pois estou fazendo matérias em todos os semestres. Dificuldade mesmo por enquanto nenhuma. A faculdade é pequena mas bem conceituada na área e embora eu pudesse ter escolhido só pegar o diploma numa EAD qualquer achei que pra minha área ter contatos seria bom, então é isso: tô trabalhando tempo integral, estudando e me perguntando que horas vou ter tempo de fazer as unhas mas tô feliz, aprendendo coisas novas e lendo bastante, o que eu não fazia há um tempão. O objetivo final é pouco nobre porém válido: não trabalhar mais de sábado e é nisso que estaremos focando nos próximos anos.

Parei de fumar e voltei a ter crises de ansiedade. Mas tô tomando bupropiona e só de pensar em cigarro me dá enjoo, então estou tendo que buscar maneiras alternativas de me controlar. Sem tempo pra exercício físico, tá foda. Mas vai melhorar. Acho que estou meio anestesiada com tanta coisa pra fazer. Preciso comer melhor, me cuidar um pouco. Passei o domingo na cama assistindo Jane the virgin e foi a melhor coisa que eu podia ter feito

O moço das 10 horas e meia (que é o mesmo dos grafites da Pompéia) continua na minha vida. Já se vão quase 3 meses. A gente vai ao cinema, janta em lugares escondidos, conversa muito sobre várias coisas (vocês já perceberam que a gente é bom nisso) ou fica em casa sem fazer nada (fazendo um monte de coisa). Ensaiei apresentá-lo aos meus amigos sábado passado mas não deu certo. No fundo eu gosto de ter esse mundinho só nosso, eu acho. Talvez eu não esteja pronta pra ter alguém assim tão definitivamente ainda, talvez eu não queira conhecer os amigos dele. Talvez eu precise ainda de um tempo só meu depois de passar 11 anos emendando relacionamentos. Talvez eu só não esteja apaixonada. Mas tem alguma coisa boa por ali e eu não quero que ela acabe.

A vida não está ruim e se eu reclamar serei injusta. Que continue assim.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário