O homem que confundiu um gato com um chapéu

Eu era uma criança muito esquisita que andava pra cima e pra baixo com uma agenda velha que tinha poemas do Mário Quintana em cada página como se ela fosse meu bem mais precioso. E lembro de um história na qual ele contava que um amigo chegou a um restaurante e quase sentou em cima do chapéu de um outro colega que estava na cadeira. Ao ser avisado, antes do estrago, justificou: "desculpe, achei que era um gato."

Por algum motivo meu eu de 11 anos só registrou essa parte da história e 27 anos depois eu ainda me indignava com o fato de que o cidadão tinha achado aceitável sentar em cima de um gato mas não de um chapéu.

Sábado o crush foi lá em casa e quase sentou em cima da Peppa, escondidinha atrás de uma almofada no sofá. Lembrei da história do Mário Quintana e fui procurá-la. Na verdade o amigo continua, explicando que, se fosse um gato, ele teria escapado antes da tragédia, ao contrário do chapéu. E aí a história fez sentido.

Isso tudo foi só pra dizer que Peppa, apesar de quase ter sido esmagada por ele, aceitou o crush. Subiu no colo dele, pediu carinho e não fez xixi em nenhum dos seus pertences.

Estamos indo por um bom caminho.


Comentários

  1. se um dia o meu madoka fizer isso (subir no colo e pedir carinho pra alguém) eu vou ficar muito feliz e surpreso ao mesmo tempo. por que a primeira coisa que ele faz qdo chega alguém em casa é ficar espreitando e analisando a pessoa de longe,e quando alguém de fora tenta fazer um carinho dele,ele fica bem blasé.tal qual ao dono! XD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade a Peppa é uma gata muito dada, vai com todo mundo, aquela biscate hahaha

      Excluir
  2. Olha, nao acho que o gato sairia nao. O meu seria esmagado. Eles sao muito auto confiantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha ainda bem que era um chapéu mesmo, então

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas