sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Eu e a TIM (episódio XVIII)


Eu fico até com vergonha de contar que a TIM me fodeu mais uma vez, mas né? Fica aí de alerta para os incautos que ainda não foram fisgados pelo plano TIM Liberty. 
O negócio é que há uns dois meses essa empresa do capeta fez uma promoção para arrebanhar novos otários clientes. Consistia num descontão num plano pós pago mais internet ilimitada por seis meses. Passei na loja e perguntei se, como cliente antiga, poderia aproveitar a promoção. Contei essa história neste post aqui.
Enfim, o idiota funcionário da loja disse que sim, me vendeu um celular e me disse que a migração do plano tinha que ser feita por telefone. Fiz. E ainda confirmei com a imbecil atendente que o plano incluía internet ilimitada. Tem gravação aí pra provar, ô dona TIM, ou será que aquele aviso é brink’s?
Daí já viram, né? Smartphone novo, só alegria, usei internet loucamente o mês inteiro. Ontem, recebi minha conta – 254 reais de WAP fora o valor do plano. Liguei para a reclamar.
A primeira atendente, vaca mal comida, muito mal educada, anunciou que a migração para internet ilimitada não tinha sido feita e por isso azar o meu, ia ter que pagar sim. Resumindo, ia morrer com 254 pilas porque um débil mental qualquer esqueceu de marcar um x. Com ódio mortal no coração, exausta, de TPM, quase meia noite, eu era capaz de sair e matar um atendente de telemarketing qualquer. Mas com a lição aprendida da última vez, resolvi ligar de novo. E fui atendida por um mocinho solícito que disse as palavras mágicas – “um minuto, senhora, vou ver o que eu posso fazer por você.” O mocinho compreendeu que eu tinha sido vítima de uma série de cagadas (A - a promoção não valia para clientes antigos e B - a migração tinha que ter sido feita na loja) e resolveu me ajudar. Passei duas horas e meia com ele no telefone. Sem brincadeira. Soletrei Turiassu cinco vezes (ele precisava do endereço da loja), aprendi o que é EMEI (oi, não é Escola Municipal de Educação Infantil) e estava quase perguntando da família quando ele me disse que ia enviar um novo código de barras para o pagamento sem essa cobrança. Entretanto, ele me avisou que a TIM pode julgar a cobrança procedente e me mandar o valor de novo na próxima fatura.

Quer dizer, a briga está só começando. Mês que vem tem mais. Sim, eu sou mulher de malandro, mas nem me orgulho disso. 

3 comentários:

  1. Operadora de celular é tudo cagada. A vivo fez dois planos idênticos pro mesmo celular e os atendentes nunca me entendiam. Liguei milhões de vezes, fui educada, grossa, sarcástica e devo ter até chorado ao telefone, e nada. Levei a papelada numa loja física e falei com uma pessoa de verdade. Perguntei pro tiozinho pq raios eu faria dois planos iguais, ele entendeu e disse que ia resolver. No fim do mês... tava lá as duas faturas. Decidi que ia pagar só uma e ignorar a outra, e isso foi por meses. Das duas uma: ou meu nome está escrito à sangue no SERASA, ou operadora de celular... é tudo cagada.

    ResponderExcluir
  2. Lamentável. Mas serve de exemplo que, para com operadoras de telecom - e na verdade qualquer fornecedor - não tem nada que não esteja no papel, preto no branco. Há tempos faço isso: "Não pôs no papel? Não quero".

    Mas vá fundo, inclusive no PROCOM. Promessa verbal também é contrato, para todos efeitos.

    ResponderExcluir
  3. Que procon ,que nada!

    Vai direto pra justiça e ganha uma grana em cima deles. ponto!

    ResponderExcluir